Cipó chumbo

“Cipó chumbo foi minha mãe que ensinou, ela pegava um punhadinho assim e colocava no mel, quando não tem mel a gente usa açúcar mascavo, bota com pouquinho de água, muito pouca mesmo e faz o xarope. É muito bom pra tosse. Muito bom mesmo. Aí serve inté pra tosse de pigarro, de fumo. Aí isso aí é muito bom pra isso.

Ele não tem pé não, é gerado aqui. Ele tem semente, mas agora ele não tá com semente. Ele dá flor. Olha a flor dele aqui. Nasce aqui mesmo em cima de outra planta. A muda é só você panhar um galhinho assim e botar em cima de uma árvore que vai dar. Isso aí eu panhei lá na beira do caminho, trouxe um galhinho e botei aí. Botei um tantinho assim, ó”
(Dona Luzia)

Nome Científico: Cuscuta racemosa,
Nomes populares: Tinge-ovos, cipó-dourado, espaguete, fios-de-ovos, fios-de-ouro e aletria.

Nativa do Brasil, encontrada no Cerrado e na Mata Atlântica. O cipó-chumbo é caracterizado pela coloração amarela e por seu aspecto filamentoso que lembra fios de ovos. Suas folhas são reduzidas a escamas muito pequenas ou mesmo ausentes. É uma planta parasita encontrada em quase todas as regiões brasileiras. Comum em beiras de estradas, pastagens e terrenos baldios, está sempre emaranhada em outra planta hospedeira que lhe garante alimento.
Ele é utilizado na medicina popular para facilitação da digestão, para cicatrização de feridas, queimaduras, alívio de tosses e dos terríveis furúnculos, em forma de chá, cataplasma ou em pó para feridas, irritações e queimaduras da pele.

Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
lynda course free download
download lava firmware
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course